Pages

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

A estrada

A estrada estava silenciosa e escura.
A única luz que a iluminava, com exceção da lua, era a daqueles faróis solitários do único carro que ousava cruzá-la a alta velocidade.
O único carro, em anos, que se atreveu a fazê-lo.
O horizonte era um ponto escuro e longínquo. Não havia nenhum farol à frente, nem mesmo um animal à beira do acostamento, pois até mesmo os animais temiam aquele asfalto maldito.

O homem que dirigia o carro não tinha medo de nada.
Era um homem jovem e arrogante, idiota até o último fio de cabelo, pois só conseguem ser arrogantes os mais idiotas dos homens. Era idiota a ponto de desafiar a estrada e insistir em provar sua ousadia e coragem.
A coragem, reverberava a estrada em suas curvas, era a qualidade dos tolos.
Aquele jovem era rico e bem de vida. Tinha tudo que se poderia desejar, mas desejava mais. Os homens, ponderava a estrada em sua sabedoria quilométrica, nunca estavam satisfeitos com o que possuíam. Se eram amados por uma mulher, desejam conquistar outra, e se tinham dinheiro suficiente para viver, desejavam mais dinheiro para esbanjá-lo.
O carro era bonito e negro, de uma marca famosa. Custava meio milhão, segundo espalhava o homem aos quatro ventos. Nada disso importava à estrada. Para ela importava apenas que o fato de o homem estar ali, ele e o seu carro, eram uma afronta e uma ofensa à sua soberania infinita.
Mas a estrada sabia ser paciente. Um homem se perde quanto mais confiança possuir. E aquele homem tinha e muita. Era apenas uma questão de tempo até que toda aquela vaidade o engolisse.
A estrada esperou. Esperou até o melhor trecho, a melhor curva. E foi nesse momento, sedenta de vingança, que a estrada tomou sua parte.
A estrada tinha fome de corpos e sede de sangue.
O homem sentiu o volante fugir ao seu controle. Ele girou incontrolavelmente, vertiginosamente, enquanto tentava em vão controlá-lo. Os pedais também agiam sozinhos, em uma harmonia macabra.
Ninguém desafiava a estrada.
Ela os engolia. Pedaço por pedaço.
Naquela noite a estrada sorriu por último em uma curva acidentada.
E ninguém mais ousou desafiá-la.

Nenhum comentário:

Postar um comentário